Pages

quarta-feira, 11 de Setembro de 2013

Passos e Crato inauguram escolas já inauguradas

Em plena pré-campanha eleitoral para as autárquicas, o primeiro-ministro e o ministro da Educação vão inaugurar dois centros escolares em funcionamento há vários meses. (notícia atualizada quarta-feira às 12h45)
Carlos Abreu
Os dois centros escolares que o primeiro-ministro e o ministro da Educação pretendem inaugurar esta quarta-feira no concelho de Oliveira do Bairro já estão em pleno funcionamento há vários meses. A denúncia partiu do candidato do CDS-PP à câmara local, Paulo Caiado.
O Centro Escolar de Bustos (114 alunos), onde Passos Coelho e Nuno Crato deverão chegar pelas 10 horas, foi inaugurado a 18 de março deste ano, no dia em que esta freguesia comemorou 93 anos de existência.
Segundo a edição de 21 de fevereiro do "Jornal da Bairrada" "a obra foi benzida pelo padre Manuel Arlindo e, depois de uma visita guiada pelo presidente da Câmara [Mário João Oliveira, candidato pelo PSD], mereceu aplausos de todos os presentes".
O Centro Escolar do Troviscal (77 alunos), onde os dois governantes estarão pelas 11h10, "abriu portas na manhã de 23 de fevereiro de 2012, após as miniférias de Carnaval", há cerca de 18 meses, conta o "Jornal da Bairrada" de 1 de março desse ano.
"O momento de abertura oficial do Polo contou com a presença das várias individualidades políticas do concelho entre as quais o executivo da Câmara Municipal (também Jorge Mendonça, CDS-PP, e Henrique Tomás, PS), do presidente da Junta de Freguesia do Troviscal, de deputados e do presidente da Assembleia Municipal", conta ainda o jornal.
Em comunicado enviado ao Expresso, o candidato do CDS-PP garante que não participará "no almoço convívio oferecido pela Câmara Municipal liderada por Mário João Oiliveira, após as caricatas e bizarras inaugurações".
A presença dos dois governantes na inauguração dos centros escolares e na visita à Escola Básica e Secundária de Ferreira de Castro, Lações de Cima, Oliveira de Azeméis, consta da agenda enviada aos órgãos de comunicação social pela assessoria de imprensa do Ministério da Educação. 
Atualização
Questionado pelos jornalistas sobre o facto de estar a inaugurar um centro escolar que já tinha sido inaugurado, Passos Coelho desvalorizou o assunto. "O senhor presidente da Câmara é que poderá esclarecer isso", começou por dizer.
"O convite que me fizeram foi para inaugurar uma escola. Não há nenhuma razão para os equipamentos, estando concluídos, ficarem à espera de uma inauguração oficial, devem ser utilizados", defendeu, mas o facto é que o Centro Escolar do Troviscal já tinha sido inaugurado oficialmente no ano passado.
O primeiro-ministro deixou também elogios à comunidade local por "cooperar de forma estreita na partilha de gestão e talentos" e assegurou que já acabou "o psicodrama da reabertura do ano escolar, como acontecia noutros anos, e tudo decorre com normalidade."

quarta-feira, 3 de Julho de 2013

Marido de nova ministra contratado pela EDP

Empresas Marido de nova ministra contratado pela EDP
O marido da nova ministra das Finanças e jornalista de economia, entretanto, dispensado pelo Diário Económico, António Albuquerque, foi recentemente solicitado para prestar serviços de consultoria em projectos fora de Portugal do grupo EDP, avança a revista Visão.
Marido de nova ministra contratado pela EDP
DR
POLÍTICA
PUB
A revista Visão avança, esta quarta-feira, que António Albuquerque, marido da nova ministra das Finanças e ex-jornalista do Diário Económico, foi solicitado pela EDP para prestar serviços de consultoria em projectos da eléctrica fora de Portugal.
Esta informação foi confirmada por um porta-voz da eléctrica, sem esclarecer deste quando e em que circunstância foi realizado este ‘recrutamento’. Também contactado pela revista, o próprio António Albuquerque disse não ter nada a acrescentar.
O marido de Maria Luís Albuquerque saiu recentemente do jornal Diário Económico, onde desde final de Junho de 2011, quando a esposa foi nomeada para a secretaria de Estado do Tesouro, deixou de exercer cargos executivos. Mas, no final do ano passado, o ex-jornalista integrou uma lista de cerca de duas dezenas de funcionários a dispensar pelo jornal, tendo chegado a um acordo de rescisão há cerca de dois meses. E, para sua sorte, passadas apenas algumas semanas no desemprego, foi contratado a prazo pela EDP para prestar serviços de consultoria.
Saliente-se que foi Maria Luís Albuquerque, na altura secretária de Estado do Tesouro, que no final de 2011 concluiu a venda de uma participação de 21,35% do Estado na EDP aos chineses da Three Gorges, por 2.700 milhões de euros. Uma operação que está agora a ser alvo de investigação pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), devido a denúncias de que a actual ministra poderá ter sido sujeita a pressões durante a privatização.

terça-feira, 9 de Abril de 2013

Votação dos juízes do Tribunal Constitucional

     O Tribunal Constitucional chumbou o orçamento de Estado.

     Os 13 juízes votaram como a imagem representa:

terça-feira, 2 de Abril de 2013

Miguel Sousa Tavares e os Ricardo Salgado


sexta-feira, 18 de Janeiro de 2013

A falta de memória de Ricardo Salgado

quarta-feira, 2 de Janeiro de 2013

O Estado vai injectar 1,1 mil milhões de euros no Banif.

     O Ministério das Finanças acaba de aprovar a recapitalização do Banif. O Estado vai injectar 700 milhões de euros em ações especiais e 400 milhões em instrumentos de capital elegíveis para o capital de base.

Segurança Social perdeu 1500 milhões de euros na bolsa

     Era pior se fosse a jogar póquer...

Dívida da 'troika' e de Sócrates sobem ao mesmo ritmo

     Dívida do Estado cresceu 30 mil milhões de euros desde a intervenção externa, uma subida semelhante ao último ano e meio de Sócrates. Endividamento vai continuar em alta em 2013 e um perdão parcial teria vantagens, antecipam os analistas ouvidos pelo SOL.

Miguel Relvas, Dias Loureiro e José Luís Arnaut em férias de luxo no Rio de Janeiro

     Enquanto por cá, a malta vive acima das suas possibilidades, o «licenciado» Miguel Relvas, o ex-conselheiro de Estado Dias Loureiro e o ex-qualquer coisa Arnaut solidarizaram-se com os sacrifícios de «os portugueses» e foram «trabalhar» para o Rio de Janeiro.

     Ver aqui.

terça-feira, 1 de Janeiro de 2013

Viva 2013 (cof... cof...)


domingo, 5 de Fevereiro de 2012

Reposição

     O MOV iniciou hoje a reposição das seis temporadas de "Perdidos".

     No segundo episódio (série I), John Locke está a jogar gamão e é interrogado por Vincent sobre o jogo. Aquele explica ao miúdo que se trata de um jogo mais antigo do que o próprio Cristo e que se baseia no confronto de dois lados: um branco e outro negro.

     Embora na altura, quando a série se iniciou, o espetador não soubesse, começava aqui a ser explicado o conteúdo da mesma, a luta eterna entre Jacob e o Homem de Negro.

     Recorde-se também que, na sexta temporada, no episódio em que é explicado o surgimento dos dois irmãos na ilha, em determinada altura o jovem Homem de Negro descobre na praia um jogo entre pedras brancas e pretas.

sábado, 3 de Dezembro de 2011

Regresso... momentâneo

     Há muito que não passava por aqui. Para pôr 2011 no mapa, aqui fica um «cartoon« alusivo aos tempos que correm:


P.S. Fui ver o número de visitantes e não é que, em novembro, passaram por aqui 1209 pessoas. Para um blogue «abandonado», não está nada mal.

sexta-feira, 29 de Abril de 2011

"E Alegre se fez Triste"

quinta-feira, 11 de Novembro de 2010

Complemento do nome

1. Definição

          O complemento do nome é uma função sintáctica que pode ser desempenhada por um grupo adjectival ou preposicional que integra o grupo nominal, sendo seleccionado por um nome.


2. Representação

     2.1. Complemento do nome com a forma de grupo adjectival

          O complemento do nome que assume a forma de grupo adjectival surge a direita do nome e forma com este uma unidade de sentido, isto é, se o adjectivo for retirado, altera o sentido do nome:

                    . A previsão meteorológica (= da meteorologia) propicia os incêndios.
                    . A procura turística (= dos turistas) tem diminuído em Castelo Rodrigo.


     2.2. CN com a forma de grupo preposicional

          Há determinados nomes que se constroem com um grupo preposicional:

               . nomes derivados de verbos - nomes deverbais (desejo, procura):
                         . O desejo de sucesso aumentou nos últimos anos.

               . nomes de parentesco (pai, mãe, tio...):
                         . O pai do Pedro chama-se Ernesto.

               . nomes epistémicos (ideia, hipótese):
                         . A ideia de fugir é-me abjecta.

               . nomes icónicos (fotografia, imagem...):
                         . A fotografia da Ernestina é horrível.


          2.2.1. CN com a forma de grupo preposicional não oracional

          Há nomes que

Predicativo do complemento directo

          O predicativo do complemento directo é a função sintáctica desempenhada pelo constituinte seleccionado por um verbo transitivo-predicativo, que atribui uma propriedade ao complemento directo.

          Os verbos transitivo-predicativos são os seguintes: achar, chamar, considerar, declarar, designar, eleger, fazer, julgar, nomear, supor, ter por, tornar, tratar...

          O predicativo do complemento directo pode ser constituído por:

               » um grupo nominal:
                         . Os alunos consideram-me um mau professor.
                                                          CD                 Pred. CD
                         . Os portugueses elegeram Cavaco Silva Presidente da República.
                                                                      CD                         Predicativo do CD

               » um grupo adjectival:
                         . - Luísa, considero-te muito estudiosa.
                                                       CD                PCD
                         . Alguns portugueses consideram Carlos Cruz inocente.
                                                                              CD          PCD
                         . - Acho-te linda.
                                     CD   PCD

               » um grupo preposicional:
                         . - Acho esta anedota com piada.
                                            CD                      PCD
                         . - Achei a corrida sem interesse.
                                            CD                    PCD
                         . Todos o têm por competente.
                                    CD                     PCD
                         . Achei este prato sem sabor.
                                          CD                    PCD
                         . - Meus queridos alunos, dou os trabalhos de casa por concluídos.
                                                                                CD                                    PCD

          Por outro lado, o predicativo do complemento directo concorda em género e número com o complemento directo:

                    . A turma designou o Pedro representante da escola.
                                                   CD                           PCD
                                                                              (masculino)                (masculino)
                                                                                (singular)                   (singular)
                    . A turma designou três alunos representantes da escola.
                                                      CD                                  PCD
                                                                                   (masculino)                       (masculino)
                                                                                     (plural)                              (plural)

          Por vezes, o complemento directo e o predicativo do complemento directo podem ser parafraseados por uma oração subordinada substantiva completiva finita, em que o complemento directo passa a sujeito e o predicativo do complemento directo a predicativo do sujeito:

                    . Os alunos consideram-me um mau professor.
                                                     CD                PCD

                    . Os alunos consideram que eu sou um mau professor.
                                                           Suj.               Predicativo do sujeito